Clipping
CLIPPING
 

As matérias e artigos a respeito de escolha profissional e profissões ficam disponíveis durante o mês corrente. 

Voltar

Nova pagina 1

O GLOBO – 27/02/2018 – RIO DE JANEIRO, RJ

Licenciatura, bacharelado e graduação tecnológica: entenda a diferença

POR UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA

As dúvidas sobre a universidade não se resumem à escolha do curso. Antes de entrar no ensino superior, é preciso decidir também qual tipo de formação combina melhor com os objetivos profissionais de cada um. As opções e dividem entre licenciatura, bacharelado e graduação tecnológica. Para escolher a mais adequada, é preciso entender as diferenças entre elas.

Bacharelado e licenciatura possuem a mesma base, mas a partir de um determinado semestre, dependendo da universidade, o estudante precisa optar por um dos dois. Sendo que o primeiro tem foco na atuação profissional, e o segundo, no trabalho como professor. Mais curta que as outras, a graduação tecnológica objetiva uma rápida inserção no mercado.

Mais popular entre as modalidades, o bacharelado corresponde à maior fatia dos ingressantes na educação superior, 61,5%, segundo o Censo da Educação Superior de 2016, realizado pelo Ministério da Educação (MEC). Esse tipo de curso proporciona a formação necessária para a maioria das profissões tradicionais. Cada formando recebe o título de bacharel, como em Medicina ou Arquitetura.

Para Caterine Fagundes, coordenadora de Inovação Pedagógica na Universidade Veiga de Almeida (UVA), a alta procura por cursos de bacharelado está relacionada às possibilidades oferecidas após a formação.

— O bacharelado abre portas para o exercício pleno da profissão, com mais oportunidades. Para completar, desde 2015, bacharéis podem iniciar o curso sequencial pedagógico e tentar vagas de docência no ensino básico — observa Caterine.

Por falar em docência, a licenciatura é a graduação ideal para quem pretende dar aulas na educação básica (do ensino infantil ao médio). De acordo com o Censo da Educação Superior 2016, a formação teve o maior aumento no número de alunos nos últimos anos, 12,8%, passando a ser a segunda graduação mais buscada pelos candidatos.

Devido ao foco em docência, muitos alunos têm a impressão de que a licenciatura pode limitar as oportunidades profissionais. No entanto, Caterine Fagundes deixa claro que, na verdade, esse é um mito que impede os estudantes de conhecerem a graduação a fundo.

— A licenciatura amplia as possibilidades do graduando. A partir disso, ele pode, por exemplo, fazer um bacharelado sequencial em menos tempo. Além disso, esse aluno está apto a pesquisar na Pedagogia, trabalhar em algumas editoras e museus, como muitos historiadores fazem — esclarece a educadora.

Mais cedo no mercado

Como terceira possibilidade de educação superior no país, a graduação tecnológica já é responsável por 17,8% das matrículas em universidades, como mostra o Censo da Educação Superior 2016. Os cursos nesse formato são mais curtos e práticos, com o objetivo de inserção rápida no mercado de trabalho. Com carga horária reduzida, os tecnólogos visam a experiência concreta do aluno.

De acordo com Caterine Fagundes, tudo depende dos planos de cada pessoa. Nesse sentido, a educadora indica a graduação tecnológica para quem tem a necessidade de trabalhar no médio prazo.

— O curso tecnológico é uma formação como as outras graduações. Talvez não seja tão competitiva quanto o bacharelado, mas entrega a vantagem de se chegar mais cedo ao mercado — pontua Caterine.

Por ser uma graduação com características especiais, o tecnólogo é frequentemente fonte de dúvidas para os interessados. Entretanto, não há motivos para preocupação quanto à legitimidade do certificado. De acordo com uma resolução do MEC, de 2001, os cursos superiores de tecnologia são plenos, assim como licenciatura e bacharelado, com diplomas de validade nacional.

Em concursos públicos e processos seletivos, portanto, formados em tecnólogos têm o direito de concorrer a vagas que exijam nível superior ou graduação. A exceção é apenas para a solicitação específica por formação em licenciatura ou bacharelado. Nesses casos, segundo o MEC, cabe aos recrutadores e editais definirem os títulos necessários para cada oportunidade.